1) TENHA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Uma alimentação saudável contribui para o normal funcionamento do sistema imunitário. Prefira sempre uma dieta variada, rica em vitaminas e minerais, nutrientes que beneficiam o seu estado geral de saúde. A dieta ideal deverá ter abundância em frutas e legumes, cereais integrais, sementes, leguminosas, peixe e gorduras vegetais. Alimentando-se de forma saudável estará a fornecer ao seu organismo os nutrientes necessários ao normal funcionamento do sistema imunitário. A vitamina C é uma das vitaminas com maior importância na manutenção do normal funcionamento do sistema imunitário. A vitamina C também denominada de ácido ascórbico é uma vitamina muito importante para o organismo humano. Conheça alguns dos alimentos ricos nesta vitamina: 

1. Abacate 
2. Abacaxi/Ananás 
3. Agrião 
4. Alface 
5. Banana 

6. Beringela 
7. Beterraba 
8. Brócolos 
9. Caju 

10. Cenoura 
11. Couve 
12. Ervilhas 
13. Espinafre 

14. Framboesa 
15. Kiwi 
16. Laranja 
17. Limão

22. Morangos 
23. Pepino 
24. Pimento 
25. Tomate

18. Maçã 
19. Manga 
20. Maracujá 
21. Melancia

2) DIGA NÃO AO CIGARRO E AO FUMO DO TABACO

Um em cada quarto portugueses (25%) é fumador.(1) O fumo provoca danos nas mucosas e promove o desenvolvimento de um meio favorável à proliferação de vírus causadores de constipações. Deste modo é importante parar, ou pelo menos, reduzir a frequência tabágica (caso seja fumador) ou evitar ao máximo ambientes com fumo (tabagismo passivo ou poluição). 

O fumo do tabaco e muitos dos seus componentes alteram diretamente a estrutura das vias aéreas. Estas alterações levam ao aumento da produção de muco pelas glândulas secretoras e à inflamação das vias aéreas.

No interior do trato respiratório, do nariz até aos brônquios, existem cílios, pequenas estruturas que com o seu batimento, permitem a movimentação do muco que se forma, essencial para eliminar microrganismos do trato respiratório. Contudo, a inalação do fumo do tabaco origina a redução do movimento dos cílios, que com o tempo acabam por paralisar e desaparecer. Consequentemente, nos fumadores há acumulação de muco, aparecimento de tosse e entrada facilitada de microrganismos, originando o aparecimento de infeções respiratórias, dificuldade em respirar e doenças crónicas como o enfisema. (2)

Deste modo, o fumador está mais sensível às infeções respiratórias, pelo que a cessação ou diminuição da frequência tabágica pode contribuir para uma evolução positiva dos sintomas de gripes ou constipações.

1. Special Eurobarometer 429 “Attitudes of Europeans towards Tobacco and Electronic Cigarettes”. European Union, 2015, May 2015.  
2. The Effects of Cigarette Smoking on the Respiratory System

3) NÃO TOME ANTIBIÓTICOS SEM RECOMENDAÇÃO DE UM MÉDICO

Os antibióticos são substâncias químicas, de origem natural ou sintética, capazes de travar a multiplicação de bactérias ou de as eliminar. O antibiótico só deve ser tomado quando for diagnosticada uma infeção causada por bactérias e quando for prescrito pelo médico. Os antibióticos não combatem infeções provocadas por vírus, como é o caso das gripes ou constipações.

A toma inadequada de um antibiótico pode levar ao desenvolvimento de resistências, dificultando e comprometendo o tratamento de infeções bacterianas futuras.

4) EXERCÍCIO FÍSICO – MANTENHA-SE ATIVO DURANTE TODO O ANO

Faça exercício físico. A atividade física é importante durante todo o ano, inclusivamente nos meses mais frios. Há evidências que demonstram que quem pratica desporto adoece com menor frequência. Deste modo, desenvolva um plano para se manter ativo durante o inverno. 

Segundo um estudo publicado na revista British Journal of Sports Medicine(1), as pessoas que praticam exercício físico com regularidade parecem ser menos propensas a apresentar constipações e, quando as têm, são de menor gravidade.

Neste estudo, foi monitorizado tanto o número de infeções (intensidade, duração e gravidade de sintomas) do trato respiratório superior nos 1002 voluntários, como a quantidade e o tipo de exercícios aeróbicos que realizavam por semana, durante 12 semanas da época outono/inverno de 2008. Entre outros pontos analisados, os resultados do estudo foram os seguintes:

Verificou-se que quem se exercitava mais dias por semana (≥5 dias) tinha 46% menos constipações do que os que realizavam exercício físico ≤1 dia por semana.

Além disso, o número de dias que as pessoas estavam doentes foi 41% mais baixo entre os que eram fisicamente ativos ≥5 dias por semana, comparativamente com o grupo constituído por sedentários.

A gravidade dos sintomas da constipação foi mais baixa no grupo que se sentia em melhor forma física, assim como nos que praticam mais exercício físico (32% e 41% respetivamente).

1. Nieman, D., Henson, D., Austin, M. and Sha, W. (2010). Upper respiratory tract infection is reduced in physically fit and active adults. British Journal of Sports Medicine, 45(12), pp.987-992.